postimg
Nov 2010 12

Laurent Piemontesi, um dos fundadores do grupo francês Yamakasi, realiza um projeto chamado CT Zen que consiste na interação da Arte do Deslocamento e a dança, com o objetivo de criar uma nova forma de arte e resultado visual através de vídeo-dança.

Durante uma viagem à Dinamarca, o projeto contou com o apoio e participação do grupo Streetmovement.dk, responsáveis pelo documentário City Surfers, vencedor do prêmio de melhor filme dinamarquês na categoria no festival Årets Bedste Danske Dokumentar. Confira um trecho do filme no website do grupo.

No campo do Parkour, Laurent acredita que os traceurs fazem uso do ambiente urbano como os surfistas fazem uso das ondas. E no campo da arte, ele experimenta a combinação do Parkour com a dança. A partir da marca de 4 minutos do vídeo abaixo é possível assistir um pouco desse processo.

Bruno Peixoto.

4 Comments

  1. Arthut says:

    Bixo, em videos de parkour eu odeio muito quando os cara ficam serpenteando os rails inventando aquele monte de voltinha ridicula … mas nesse video, por causa do contexto d dança e da arte, o efeito foi contrario. Adorei mesmo.

  2. Thiago says:

    O que mais gosteis foi as voltinhas na estrutura… bem criativo eles!

  3. Gostei muito desse vídeo, mas acho que no meio do caminho eles se perderam. O vídeo chega em um ponto em que não evolui mais e fica cansativo… poderia ter evoluído melhor, mas mesmo assim é uma ideia bem bacana de ser explorada: parkour, dança, andaimes, sofás e uma galeria! Cool!

  4. Hei Bruno,

    tô curtindo vendo os videos que vc está postando, que bom ver a sua busca.
    Vendo esse video me veio duas coisas.
    1 – da pertinência de usar uma manifestação urbana como o Parkour em uma sala. Ao mesmo tempo penso que esse pensamento é uma questão viciada e dependente do universo da arte oficial, que nesse momento busca maneiras de interagir com a cidade e com a vida real. No entanto essa não é uma questão do Parkour, e fazer um video como esse ou realizar uma intervenção (por mais previsível que possa parecer no o campo da arte momento) é importante e faz sentido para os traucers, e essa lógica e o tempo da própria manifestação eu acredito que deva ser respeitada para que o dialogo entre os dois campos seja realmente um dialogo, e não uma apropriação/dominação da arte oficial.

    2 – essa semana li um termo interessante (agora não me lembro onde), shoppinização da cidade. Dizia que quando os Shoppings foram criados eles tentavam imitar as cidades, mas agora acontece justamente o contrario, os projetos de revitalização das cidade tem tentando projetar cidades imitando shoppings. O problema disso é que as cidades estão cada vez mais controladas de forma a impedir a relação física com ela, de forma que ela é apenas vista e não sentida na carne.
    Quando vejo um video como esse onde se vê uma estrutura inspirada em uma estrutura de barras inicialmente existente no espaço urbano, me parece que já é uma contribuição, pois é um tipo de contaminação entre dentro e fora (casa e rua) mais saudável, mais questionadora.

    Bons vôos brother

Participe. Comente.